Curta | Copacabana-Auschwitz - InC | Instituto de Cinema | Cursos de Cinema e Atuação

Instituto de Cinema de SP

Curta | Copacabana-Auschwitz

Copacabana-Auschwitz é um curta-metragem de 12 minutos, lançado em 2018 e dirigido por Jaiê Saavedra.


O filme, indicado ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, na categoria de Melhor Curta-Metragem Documentário, conta o relato de um aposentado que tenta descrever sua rotina como morador de Copacabana, mas as memórias de seu aprisionamento no Campo de Concentração de Auschwitz invadem sua narrativa. 


Confira abaixo um depoimento do diretor comentando um pouco do processo de produção deste intenso curta, e neste link o seu trailer.


CRÍTICA


Copacabana, Auschwitz. Brasil, Alemanha. Ontem, hoje. Memória, imagem. O curta-metragem Copacabana-Auschwitz de Jaiê Saavedra, em um trabalho que une imagens contemplativas de paisagens com uma narração em voz off, traz o relato de Aleksander Laks, um sobrevivente dos campos de concentração nazistas, atualmente morador de Copacabana no Rio de Janeiro.


Primeiramente o diretor situa o relato em Copacabana, em seu movimento, pacatez e indiferença. A voz do narrador começa a descrever sua vida como carioca, e a história que o levou até lá, até ser tomada pela lembrança do seu tempo em Auschwitz. Aleksander vai aos poucos rememorando sua trajetória e conectando dois momentos históricos: esse em que se conta, e aquele que é contado.


Completando a narração, Jaiê utiliza as imagens para aproximar o “aqui” e o “lá”. Sobrepondo imagens visualmente próximas, como os toldos e árvores que existem tanto no Brasil como na Alemanha - intercalando-as, primeiro de forma gritante, ressaltando suas diferenças, e depois mais sutilmente, unindo-as -. A montagem, portanto, é feita de forma que as distâncias físicas e temporais entre esses dois lugares (aparentemente tão diferentes) se esvaem, até que o filme imerge nas lembranças frias de Aleksander e lá permanece, contemplando o que restou de um passado sem cor alguma, em imagens silenciosas em preto e branco.


 


Por Isabella Thebas

voltar