Instituto de Cinema de SP

Lista | 10 Sucessos de bilheteria brasileiros

O cinema nacional é repleto de diversidade e de filmes que caem no gosto do público! Emplacando recordes de bilheteria, o mercado de cinema no Brasil vem crescendo cada vez mais, tanto em termos de público quando de renda.


Confira aqui nesta lista 10 filmes que foram sucessos de bilheteria e conquistaram corações pelo país.


Minha Mãe é Uma Peça, Susana Garcia (2019)


Protagonizado por Paulo Gustavo, Minha Mãe É Uma Peça 3, lançado em 2019, entrou para a história do cinema nacional como o filme mais assistido do país, arrecadando um total de R$ 143,9 milhões. O filme trata-se da continuação da história de Dona Hermínia, uma mulher divorciada e mãe protetora que agora vive o momento em que seus dois filhos irão formar suas próprias famílias.


Tropa de Elite 2, José Padilha (2010)


Dirigido por José Padilha e protagonizado por Wagner Moura, Tropa de Elite 2: O Inimigo Agora é Outro foi lançado em 2010 e, no cinema, seu público foi de 11.146.723 espectadores, sendo que foi necessário pensar várias estratégias contra pirataria no momento de sua distribuição. Foi indicado em 2011 a 16 categorias do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro vencendo 9, incluindo melhor longa, melhor direção e melhor ator. O enredo conta continuação da história do famoso personagem Capitão Nascimento, e mostra o envolvimento de políticos nos conflitos entre policiais e milícias do Rio de Janeiro.


Carandiru: O Filme, Hector Babenco (2003)


Carandiru é uma superprodução nacional baseada no livro “Estação Carandiru”, do médico Drauzio Varella, onde narra suas experiências com a dura realidade dos presídios brasileiros em um trabalho de prevenção à AIDS realizado na Casa de Detenção de São Paulo. O filme conta algumas das histórias dos detentos do presídio (que foi a maior prisão da América Latina) e culmina com o massacre de 1992 ocorrido no local, onde 111 prisioneiros foram mortos, 102 pela polícia. O próprio presídio foi usado para a realização de algumas cenas antes de ser demolido em 2002, um ano antes do lançamento do filme, que teve um público de 4.693.853 espectadores no cinema.


De Pernas para o Ar 3, Julia Rezende (2019)


De Pernas pro Ar 3 é um filme de comédia brasileiro, dirigido por Julia Rezende e estrelado por Ingrid Guimarães, foi lançado em 11 de abril de 2019 e levou 3 590 714 de pessoas às salas de cinema. Na história, o sucesso da rede de lojas Sexy Delícia comandada pela protagonista do filme, leva Alice Segretto (Ingrid Guimarães) a um tour pelo mundo. Trabalhando sem parar, Alice percebe que não tem conseguido acompanhar sua família, que também cresceu. Impetuosa, ela toma uma decisão inusitada: decide se aposentar e entregar o comando dos negócios para sua mãe.


Dona Flor e seus Dois Maridos, Bruno Barreto (1976)


O quinto filme brasileiro com maior bilheteria da história, Dona Flor e seus Dois Maridos, teve 10.735.524 de ingressos vendidos. Dirigido por Bruno Barreto e baseado na obra de Jorge Amado, conta com Sônia Braga, José Wilker e Mauro Mendonça como os protagonistas. Considerado um dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos pela Abraccine, por 34 anos foi recordista de público no cinema brasileiro, quando em 2010 foi ultrapassado por Tropa de Elite 2. Sua história gira em torno de uma professora que recebe visitas do espírito do seu falecido marido enquanto está casada com outro homem.


Se Eu Fosse Você Dois, Daniel Filho (2009)


Se Eu Fosse Você 2 é um filme de comédia romântica lançado em 2009, dirigido por Daniel Filho, conta com Glória Pires e Tony Ramos como protagonistas, alcançando um total de 6.137,345 espectadores no cinema. Continuação do filme Se Eu Fosse Você de 2006, na segunda vez que Cláudio e Helena trocam de corpos, eles devem enfrentar a gravidez da filha de 18 anos e organizar, no meio de muita confusão, um casamento. 


Meu Passado Me Condena, Julia Rezende (2013)


Meu Passado Me Condena - O Filme é uma comédia brasileira de 2013, baseado na série homônima, o longa foi dirigido por Júlia Rezende e estrelado por Fábio Porchat e Miá Mello, e obteve 3.117.889 de espectadores. Na história, Fábio e Miá são dois recém-casados que resolveram trocar alianças depois de apenas um mês de namoro. O casal decide passar a lua de mel em um cruzeiro que parte do Rio de Janeiro em direção à Europa. Porém, os dois logo descobrem que um ex-namorado dela (Alejandro Claveaux) e uma antiga paixão platônica dele (Juliana Didone) também estão a bordo e em lua de mel.


A Dama da Lotação, Neville d’Almeida (1978)


A Dama da Lotação é um filme de drama erótico, dirigido por Neville d\'Almeida e baseado em um conto de Nelson Rodrigues. A protagonista foi Sônia Braga, atriz muito em alta na época por participar com grande repercussão de novelas da Globo, o que ajudou o filme a vender um total de 6.509.134 de ingressos nos cinemas brasileiros. O longa conta a história de Solange e Carlos, que se conhecem desde a infância e se casam. Na noite de núpcias, Solange resiste ao seu marido, que a estupra. Ela fica traumatizada e, apesar de desejar Carlos, não quer mais nada com ele. Para se satisfazer, ela começa a fazer sexo com homens desconhecidos que encontra andando de lotação.


Dois Filhos de Francisco, Breno Silva (2005)


Dirigido por Breno Silveira, o drama conta com Márcio Kieling, Dáblio Moreira, Thiago Mendonça e Wigor Lima interpretando os protagonistas para contar a trajetória de vida de Zezé de Camargo e Luciano, levando um total de 5.319,677 de pessoas ao cinema.


Lisbela e o Prisioneiro, Guel Arraes (2003)


Lisbela e o Prisioneiro é uma adaptação da peça de teatro homônima de Osman Lins. Filmado na capital de Pernambuco, o longa-metragem conta a história do malandro, aventureiro e conquistador Leléu e da mocinha sonhadora Lisbela, que adora ver filmes norte-americanos e sonha com os heróis do cinema. A encantadora narrativa levou 3.174.643 de pessoas aos cinemas brasileiros.


Você sabia que aqui no Instituto de Cinema você tem a oportunidade de aprender com grandes talentos consagrados do cinema nacional? 


Confira alguns cursos que estão para começar:


Direção de Longa-metragem com Julia Rezende - Online (AO VIVO)


O curso pretende discorrer sobre as diversas etapas da realização de um filme a partir de perspectivas mercadológicas e autorais. Assim como o processo de criação do diretor com os atores, a relação com os demais parceiros criativos - como o diretor de fotografia, de arte, montador e roteiristas - e também técnicas de preparação e filmagem, distribuição e exibição.


Ministrado por Julia Rezende, uma das cineastas mais importantes do Brasil hoje, que estreou na direção de longas-metragens em 2013 com “Meu Passado Me Condena”, e teve 3,2 milhões de espectadores. Em 2015 lançou “Ponte Aérea” e “Meu Passado Me Condena 2". Em seguida, "Um Namorado Para Minha Mulher", com Ingrid Guimarães, Caco Ciocler e Domingos Montagner. Em 2019 foi a vez de “De Pernas Pro Ar 3” e em 2020 prepara-se para lançar “Depois A Louca Sou Eu”, comédia dramática protagonizada por Debora Falabella, baseada no livro de Tati Bernardi. No total, seus filmes já levaram mais de 8 milhões de espectadores aos cinemas.


A Direção de Fotografia de Lula Carvalho - Online (AO VIVO)


O curso visa analisar a construção fotográfica de diferentes obras, compreendendo a concepção de quadros e desenhos de luz, e ainda contemplar o mercado da tecnologia audiovisual e as relações profissionais em um set. Durante as aulas serão analisados os filmes “O Lobo Atrás da Porta”; “Auto de Resistência”; “Fabricando Tom Zé”; “O início, o fim e o meio”; e a 1ª Temporada da série “Narcos”. 


Ministrado por Lula Carvalho, renomado cinegrafista de carreira nacional e internacional, que se destacou como diretor de fotografia de filmes premiados, tanto brasileiros como internacionais. Entre as principais obras de sua carreira estão: “Tropa de Elite 1 e 2”, “Bingo: O Rei das Manhãs”, “RoboCop”, “O Lobo Atrás da Porta”, “Paraísos Artificiais”, “Budapeste”, “Narcos”, “O Mecanismo” e muitos outros.


Entre em contato com a gente por WhatsApp para saber mais e fazer sua matrícula!


 


Por Isabella Thebas

voltar